Moving away from zero-fire policy in the Brazilian Cerrado. Associate Editor, Rafael D. Zenni comments on the recent Policy Direction, Fire management in the Brazilian savanna: First steps and the way forward by Schmidt et al.

Rafael also provided a Portuguese version  of this post. The journal welcomes blog posts and abstracts in different languages.

English version

The Brazilian Cerrado is recognised by many as the most biodiverse savanna in the world, with an estimated number of species reaching 160,000 plants, animals, and fungi. Besides its biodiversity, the Cerrado region also irrigates eight out of the 12 main watersheds in Brazil; a key ecosystem service. However, the Cerrado is also under pressure from rapidly expanding agribusiness and urbanisation. The Cerrado has already lost 46% of its original vegetation cover. So, considering its importance for nature and people, and its high level of threat, it is now more important than ever to apply consolidated ecological knowledge to conservation practice.

Historically, fire has been a major force in shaping the structure, biodiversity, and processes of Cerrado ecosystems. Without occasional fires, large parts of the ecosystem can be radically transformed, progressing towards a woodland or forest ecosystem. In the absence of fire, we also see the constant accumulation of organic matter on the ground (the litter layer). Hence, it is undisputed among Cerrado ecologists that fires have been, and still are, a defining element of the ecosystem.

However, despite the great deal of available evidence, Brazil’s conservation policy and practice has been of total fire suppression, including in protected areas (i.e. National Parks), designed exclusively to protect Cerrado ecosystems. A clear countersense. Perhaps, the main reason for the Brazilian zero-fire policy was the absence of clear guidelines on where, when, and how to apply prescribed burns or let natural fires burn. So, probably a precautionary approach that became institutionalized policy.

The suppression of fires can lead to profound changes in Cerrado ecosystems, but it can also result in huge environmental risks developing through the accumulation of organic matter on the soil. Accumulation over years of undecomposed organic matter can make fires burn much hotter and faster, resulting in uncontrollable wildfires that cause much more damage to nature and people than fires otherwise would. For instance, a criminal wildfire in the Chapada dos Veadeiros National Park last year (2017) was the largest in the Park’s history, burning more than 66,000 hectares (28% of the area of the park) over the course of 20 days and mobilising 200 firefighters and numerous volunteers.

For years researchers called for changes in the zero-fire policy, including two articles published here in Journal of Applied Ecology: Maravalhas & Vasconcelos, 2014 and Durigan & Ratter, 2016. That call was finally heard and now a consortium of scientists and land managers, from Brazil and elsewhere, launched the first integrated fire management program in Brazilian protected areas. This Policy Direction by Isabel Schmidt (University of Brasilia) and colleagues, Fire management in the Brazilian Savanna: first steps and the way forward, describes the programme structure and implementation, and presents its first results. The paper also shows how the management approach successfully changed the fire regime, decreasing late dry season wildfires in three Protected Areas within the Brazilian savanna in the first three years of its application. The programme is now likely to be extended to the whole country. Much is still to be researched regarding fire effects and management in Brazil, but the zero-fire paradigm is finally changing.

The Policy Direction, Fire management in the Brazilian Savanna: first steps and the way forward is free to read in Journal of Applied Ecology.

Find out more about Policy Direction papers here.

Portuguese version

Primeiros passos em direção ao manejo ativo de fogo no Cerrado

O Cerrado brasileiro é a savana de maior biodiversidade do mundo, com um número estimado de espécies atingindo 160 mil entre plantas, animais e fungos. Além da sua biodiversidade, a região do Cerrado também irriga oito das 12 principais bacias hidrográficas Brasileiras, um dos seus principais serviços ecossistêmicos. No entanto, o Cerrado também está sob pressão pela rápida expansão do agronegócio e da urbanização. O Cerrado já perdeu 46% de sua cobertura vegetal original. Portanto, considerando sua importância para a natureza e para as pessoas e seu alto grau de ameaça, agora é mais importante do que nunca aplicar conhecimento ecológico consolidado para a prática de conservação da biodiversidade.

O fogo é um elemento chave no Cerrado. O fogo tem sido historicamente uma força importante na formação da estrutura, da biodiversidade e dos processos dos ecossistemas do Cerrado. Sem incêndios ocasionais, grandes partes do ecossistema podem ser radicalmente transformadas, progredindo para um ecossistema florestal. Na ausência de fogo, também vemos a acumulação constante de matéria orgânica no solo (serapilheira). Por isso, é ponto passivo entre ecólogos do Cerrado que os incêndios foram e ainda são um elemento chave desse ecossistema. No entanto, apesar da grande quantidade de evidência disponível, a política e prática de conservação do Brasil tem sido de supressão total de incêndios, inclusive em áreas protegidas (p.ex. Parques Nacionais) projetadas exclusivamente para proteger os ecossistemas do Cerrado. Um claro contrassenso. Talvez, o principal motivo da política brasileiro de “fogo zero” tenha sido a ausência de diretrizes claras sobre onde, quando e como aplicar fogo prescritos ou deixar que incêndios naturais queimem até exaustão. Provavelmente, foi uma abordagem preventiva que se tornou política institucionalizada.

A supressão dos incêndios pode levar a mudanças profundas nos ecossistemas do Cerrado, mas também pode resultar em enormes riscos ambientais pela acumulação de matéria orgânica no solo. A acumulação ao longo dos anos de matéria orgânica não decomposta pode fazer incêndios queimarem mais intensa e rapidamente, resultando em incêndios incontroláveis que causam muito mais danos à natureza e às pessoas do que os incêndios naturais causariam. Por exemplo, o incêndio criminoso no Parque Nacional Chapada dos Veadeiros no ano passado (2017) foi o maior da história do Parque, queimou mais de 66.000 hectares (28% da área do parque) ao longo de 20 dias e mobilizou 200 brigadistas e inúmeros voluntários.

Durante anos os pesquisadores pediram mudanças na política de fogo zero, incluindo dois artigos publicados aqui no Journal of Applied Ecology: Maravalhas & Vasconcelos 2014, Durigan & Ratter 2016. Esse chamado foi finalmente ouvido e agora um consórcio de cientistas e gestores de áreas protegidas, do Brasil e do exterior, lançou o primeiro programa integrado de manejo de fogo em áreas protegidas brasileiras. O artigo da Professora Isabel Schmidt (Universidade de Brasília) e colaboradores (“Manejo de fogo na Savana brasileira: primeiros passos e caminho a seguir“, na tradução para o português) descreve a estrutura e a implementação desse programa e apresenta seus primeiros resultados. O documento também mostra como o manejo mudou com sucesso o regime de queimadas, diminuindo os incêndios florestais no final da estação seca em três áreas protegidas de Cerrado nos primeiros três anos de sua aplicação. O programa agora provavelmente será estendido para todo o país. Ainda há muito a ser pesquisado sobre efeitos e manejo de fogo no Brasil, mas o paradigma de fogo zero está finalmente mudando.