Testagem dos efeitos relativos de controle biológico e herbicida no controle de plantas exóticas invasoras para tomada de decisão baseada em evidências

This Editor’s Choice summary by Rafael D. Zenni is also available in English here.

O controle de plantas exóticas invasoras é uma necessidade na maioria dos ecossistemas do planeta para reduzir e mitigar os impactos negativos causados ​​por invasões biológicas a biodiversidade nativa e aos serviços ecossistêmicos. No entanto, existem vários métodos de controle e escolher a solução mais eficaz, menos prejudicial e mais permanente não é uma tarefa simples. Por exemplo, o controle biológico é específico para a espécie exótica invasora alvo, mas requer extensa pesquisa para uma invasão em particular antes que um agente de controle biológico seja encontrado e liberado, enquanto o controle químico tende a ser mais amplamente aplicável e pode ser facilmente usado em muitos casos, mas com potencial aumentado de efeitos negativos a espécies não-alvo. Assim, pesquisas comparando métodos de controle isolados e combinados são necessárias para se obter a melhor redução possível na invasão com o mínimo de efeitos não-alvo possíveis. Informações de alta qualidade baseadas em evidências sobre os prós e os contras de cada método de controle são fundamentais para gestores e ecologistas aplicados que trabalham no manejo de espécies invasoras.

Ngaruahoe & Tongariro 2000vs2018 landscape
A before-and-after comparison showing purple flowering invasive heather pre-beetle, and over 99% dead heather and recovering native vegetation (and some replacement weeds such as exotic grasses) in the after photo. The volcanic cone of Mt Ngauruhoe is visible in the background. Photo: Paul Peterson

No estudo ‘Comparando biocontrole e herbicida para o manejo de uma espécie de planta não nativa invasora: Eficácia, efeitos não-alvo e invasão secundária’ Dr. Paul Peterson e colaboradores relatam os resultados de um experimento de cinco anos comparando eficácia, efeitos indesejáveis ​​e invasão secundária de dois métodos de controle, biológico e químico, na espécie invasora Calluna vulgaris (urze comum). Calluna vulgaris é um arbusto lenhoso, nativo da Europa, Ásia e Norte da África que foi introduzido na Nova Zelândia, onde o estudo foi realizado, acambando por se tornar a pior espécie de planta exótica invasora no Parque Nacional de Tongariro, dominando mais de 50.000 ha . É importante ressaltar que os métodos de controle avaliados pelos pesquisadores foram os que já vinham sendo utilizados por órgãos de manejo atuantes na área. Consequentemente, os resultados podem ser prontamente aplicados pelos gerentes.

impact photo
Heather protected from heather beetles in an insecticide treatment plot (edge of the sprayed area superimposed). Photo: Paul Peterson

A equipe de pesquisa descobriu que, ao longo do tempo, todos os tratamentos (herbicida, controle biológico e herbicida + controle biológico) reduziram muito a cobertura da planta exótica invasora em comparação com um aumento na cobertura de urze quando nenhum controle foi aplicado. Para os resultados dos efeitos não-alvo, o controle por herbicida teve maior impacto nas espécies nativas em comparação com o controle biológico. Enquanto a cobertura e riqueza de espécies nativas aumentaram quando o controle biológico foi aplicado em comparação com nenhum controle, a aplicação de herbicida (tanto sozinho quanto em combinação com o controle biológico) reduziu a cobertura e a riqueza de algumas espécies nativas em comparação com nenhum controle. Além disso, controlar a planta exótica invasora sem um esforço de restauração resultou em invasões secundárias por outras espécies exóticas na maioria dos cenários estudados. Tomados em conjunto, os resultados do estudo sugerem que o controle biológico resultou em maiores benefícios para a flora nativa, embora o controle químico tenha resultado em menos invasões secundárias.

Não há bala de prata para o controle de plantas exóticas invasoras. Os melhores resultados de controle são frequentemente obtidos com o uso de uma combinação de métodos e por um longo período. Ambos os métodos testados no estudo, controle biológico e controle químico, foram eficazes para reduzir a invasão de C. vulgaris, mas não foram muito eficazes para evitar novas invasões por outras espécies não nativas ou na recuperação da biodiversidade nativa. Provavelmente, a inclusão de esforços ativos de restauração junto com o controle das plantas invasoras poderia ajudar a alcançar tanto a redução nas invasões quanto o aumento da biodiversidade nativa. Os gestores podem precisar ir além do controle de espécies invasoras se quiserem recuperar a biodiversidade nativa e os serviços ecossistêmicos.

The full Editor’s Choice article, ‘Comparing biocontrol and herbicide for managing an invasive non‐native plant species: Efficacy, non‐target effects and secondary invasion‘ is free to read for a limited time in Journal of Applied Ecology.

One thought on “Testagem dos efeitos relativos de controle biológico e herbicida no controle de plantas exóticas invasoras para tomada de decisão baseada em evidências

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s